28 de jul de 2010

Sedução ou Inconveniência?!



Há alguns dias eu venho pensando em como é fina e tênue a linha que separa os homens com relação ao status de sedutor e inconveniente, conquistador e porco chauvinista!
O fator motivador desse texto  foi a abordagem que recebi numa das minhas raras excursões ao centro dessa cidade que habito. Encaminhava-me, tranquilamente, para o ponto de ônibus quando um carro emparelhou ao meu lado, e o seu ocupante começou a questionar para onde eu ia e me convidou a entrar no carro, dizendo "que me levaria ao paraíso ou onde mais eu quisesse ir"! Enquanto ouvia minhas negativas, e vendo a minha total falta de interesse ignorando sua investida, o mesmo não se sentia convencido de que eu realmente não estava com a menor disposição para ser assediada! Procurei ser educada a princípio, incisiva num segundo instante e como já estava “puta da vida” com a insistência chata e indiscreta, apelei e fui direta!
Sempre concordei com a premissa de que todos têm o direito de se insinuarem, demonstrar o interesse por algo ou alguém. Muitas vezes a abordagem é algo até mesmo esperado, tanto por homens quanto por mulheres. Uma massagem no ego de vez em quando faz um bem danado à alma e auto-estima! Mas esse mesmo direito não permite, em hipótese alguma, ultrapassar a linha da falta de respeito! A diferença entre fazer charme e rejeitar uma cantada é clara e qualquer ser humano com um pouco de bom senso que seja, pode sim, se tiver realmente interesse, perceber, em poucos segundos, depois de ter lançado o gracejo.
No entanto a inconveniência não está apenas no campo direto, numa abordagem clássica frente a frente. Ela pode vir na seqüência de conversas até então amistosas, mas que têm um desenrolar muitas vezes pra lá de desastroso. A internet está recheada de tipos assim, que se insinuam e quando são repelidos pela primeira vez, vestem o disfarce de cordeiros amigos e continuam gracejando; e quando, muitas vezes, são cortados com uma rispidez inesperada, por eles, claro, partem para a defesa usando o mais machista de todos os argumentos: “Foi você quem provocou!” ou então algo do tipo: “Se não quer ser assediada, não faça por onde!”.
É esse tipo de argumento que me leva a pensar: Onde está o autocontrole de cada indivíduo, o livre arbítrio? Seguindo por essa linha de raciocínio, poderia dizer que toda mulher que se depara com um rapaz que lhe chame a atenção e sem pensar tasca-lhe um beijo, no susto, ou então lhe aperta a bunda, pode simplesmente dizer que a boca e a bunda do cidadão eram irresistíveis, e pelo simples fato dela ali estar “à disposição” ela fez o que fez. Ou o que é pior: um cara estupra uma menina e para se safar às penas alega que ela foi quem provocou, abusando de roupas provocativas. Isso é o cúmulo do absurdo! Não há nada mais machista, preconceituoso e cruel do que o uso desse tipo de argumento. E, infelizmente, ainda há muita gente que o dissemina. Se eu saio com meus vestidos decotados, ou com minha saia curta, eu estou pedindo para alguém me estuprar? Se um homem bonito e charmoso sai à rua sem camisa está pedindo para ser atacado? Não, esse tipo de discurso nunca deveria ser aceito em nenhum tipo de discussão, muito menos ser levado a cabo em casos penais!
Mas nada me incomoda mais do que aquela cantada que vem de onde menos esperamos: das pessoas em quem depositamos toda a confiança e que chamamos de amigos. Há as pessoas que se aproveitam de momentos em que o outro está fragilizado, para atacar, como se fosse uma cobra. Abusam da confiança e dão, literalmente, o bote, visando tirarem todo o proveito em causa própria. A meu ver, algumas pessoas podem até ceder a essas investidas, mas acho que acabam se rendendo por serem ainda mais fracas que o(a) “oponente”. Não imagino como poderia ser possível a manutenção de uma relação de confiança depois de uma situação como essa. Porque, se há mesmo um interesse genuíno, o outro saberá conduzir a situação para uma futura aproximação mais íntima. Quem considera e respeita não se aproveita.
Com certeza há muitas pessoas que acreditam que o assédio se dá por provocação de uma parte -o que pra mim é um disparate-, mas enfim, essa é apenas a minha opinião e quem quiser contestar, fique à vontade, desde que saiba respeitá-la!




Imagem: Stanley Martucci


8 Comentários:

Allison French ! disse...

primeiro de tudo .... frô como vc escreve beeem ! *_* fiquei aqui achando que estava lendo um livro e não um blog ! Segundo ... homens são assim, nunca sabem quando parar e detestam levar um 'fora' pois se acham os donos do mundo ... pena que eu goste tanto deles ! haha

beeeijos

Carol disse...

Ah querida, eu não sei o que está acontecendo com as pessoas, o assédio está demais, sem limites. O pior é quando um "amigo" do marido te canta também, não, sem palavras...
O mundo está precisando de paz em todos os sentidos.
Beijos

Patricia Daltro disse...

Às vezes tenho a sensação de que tudo é culpa dessa "objetização" da mulher, nós não somos alguém, somos posse, logo, como nos recusamos a aceitar cantadas? ou convites? ou sexo? Se somos oferecidas diariamente nas propagandas, novelas e realitys, como produto, como deixar de ser produto no dia-a-dia?
Seu texto é ótimo, xará, e contundente, e tenha sempre cuidado com esses "inconvenientes", por que alguns deles costumam passar muito dos limites!

Bia disse...

Paty, o assédio é algo chato demais! Vc tem toda razão! E a insistência nisso beira a falta de respeito, não do outro, mas sim do ser que insiste em assediar mesmo recebendo seguidas negativas!
Bjs

Ly Mello disse...

Paty, adorei seu texto, muito bom mesmo!
Parabéns!

Desculpa a demora em te responder, mas estou com uns problemas de saúde e não consegui dar conta de rsponder os comentários ainda, então está tudo atrasado!
Eu não tenho o molde do pap do post do envelhecimento com relevo, mas no post, tem o site de onde tirei, tenta entrar em contato com a responsável por ele, quem sabe ela tem pra fornecer.

Beijocas.

Fernanda Reali disse...

Minha primeira sugestão é dizer: CORRA! Com a violência urbanda atingindo níveis inimaginágeis, se a mulher xingar o sujeito que assovia para ela na rua é capa de levar um tiro. Uma buzinada no trânsito mal respondida, pode levar a um atroplamento. Pessoas saem com barras de fero dos carros e quebram os outros por causa de uma ultrapassagem. Por isso, ao achar um engraçadinho na rua, corra, fuja, suma!

js

Elaine Gaspareto disse...

Ao ler pensei exatamente como a Fernanda: corre!
Hoje em dia a coisa tá tão feia que é melhor correr e pensar depois.
Beijo

Mutante disse...

concordo com tudo que disse no texto docinho, acho uó da falta de respeito os homens se acharem no direito de falar qualquer bobagem pra nós na rua. detesto isso!
um dia fui bem mal educada com um que ficou me cercando na calçada por causa do meu decote...aff!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

  ©Dona Amélia - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo