18 de set de 2011

Blogagem Coletiva esmaltes - Música e esmaltes


Sei que meu primeiro contato com música foi bem cedo, pois Mamys sempre gostou muito de música, mas o que eu me recordo mesmo foi aos 5 anos, quando Papys comprou a primeira vitrola de casa e junto com ele alguns LPs, entre eles os meus mais queridos: Álibi, da Maria Bethânia e Pela Peleja do Diabo com o Dono do Céu, do Zé Ramalho. De lá pra cá ouvi tanta coisa e percebo que a música sempre esteve presente na minha vida e sempre vindo pelas mãos de pessoas queridas e amadas.
Lembro bem de como Pink Floyd, Dire Straits, Super Tramp, Rolling Stones, Bob Dylan, Joan Baez, Eric Clapton chegaram até mim pelas mãos da minha querida Tia Lú Beatles, Queen pelas mãos do Tio João, e a partir dos  13 anos, descobri o som nacional novamente. Então vieram Ney Matogrosso, Oswaldo Montenegro, Paralamas do Sucesso, Titãs, Fagner, Hanoi Hanoi, Legião Urbana, Engenheiros do Hawai, nenhum de Nós, Marina, Luis Gonzaga, Novos Baianos, Alceu Valença, Xangai, Elba Ramalho, Cazuza, Raul Seixas, e com os amigos da praia [morei 6 anos no ES] pude conhecer The Cure, New Ordem, Pet Shop Boys e, claro, as lambadas da vida, afe, como dancei e dançava bem, viu! Nossa, tanta gente que se for listar vou levar mais uma vida! rs


Na adolescência, já em Uberlândia, aos 17 anos, reafirmei meu gosto por Raul Seixas, a paixão pela Legião continuou firme e forte. E com a amizade com a Darci ganhei de quebra o amor pelo U2, Caetano Veloso, Chico Buarque, Adriana Calcanhoto, Karnak, Vanessa da Mata,  e os domingos no London [Pub famoso de Uberlândia] eram mais que ansiados.
O Agá, me apresentou Lorena McKennitti, Velvet Undergroud, repaginamos The Cure, Secos e Molhados, Ramones, Nico, Leonard Cohen. Apesar de estar na terra do sertanejo, nunca  fui ligada ao estilo, mas de tanto ouvir meu irmão cantando moda de viola, do estilo Tião Carreiro e Pardinho e Christian e Ralf, passei a gostar um pouco deles.
Pela TV descobri Chico César e foi amor à primeira vista, depois Zeca Baleiro, Moska, Marisa Monte, Cesária Évora, Fernanda Porto, Nando Reis, Morcheeba, Sade e mais um tanto de outros.
E em tempos de net discada eu fui, com a ajuda do Rafa, meu querido PP [Pequeno Príncipe, politicamente incorreto a meu ver, rs] uma heroína. Pois com a ajuda dele conseguia a proeza fantástica de baixar por madrugada, 3 músicas inteiras!! Nossa, quantas madrugadas passamos rindo, brigando, conversando e baixando música. Eu pedia os cds, ele procurava achava e tinha a paciência de um universo em baixar tudo o que eu queria e ir mandando ao poucos pra mim. Nessa brincadeira vieram coisas muito boas, quase todas indicações que eu via na revista Bravo, que , na época, eu assinava e ainda não era da Editora Abril. E uma dessas indicações que tenho como xodó é o álbum Acima da Chuva, da banda pernambucana Volver.
Também recebi muito do querido Brainox, meu amigo português que me presentou com Madredeus, Nick Cave e Amália Rodrigues.
Do Jorge Ka uma das melhores surpresas: Violetas na Janela, uma banda independente de Sampa.  Minha querida amiga Mariana me trouxe pelas mãos e apresentou Tori Amos, The Corrs, Keane, Norah Jones. O Rolemberg Dead Can Dance. Com Larrosa me apaixonei por Nick Drake. Com Paulo aprendi a ouvir Jazz: John Coltrane, Miles Davis, Marvin Gaye; blues: Billie Holliday, Nina Simone, e claro, a música O Pato, de João Gilberto.
Marido acabou me trouxe de volta The Cranberries, Lenka, Shanaia Twain, Leigh Nash, Poema, Too Soft, Sambassadeur , Adele e muita coisa variando entre o indie, folk e vocais femininos.
E é assim que é a minha relação com música, cada dia alguém me dá de presente algo de novo e eu vou acumulando paixões, como Los Hermanos, Maria Rita, Teresa Cristina, Seu Jorge, Ana Carolina, Lenine, Cassia Eller, Zélia Duncan, Roque Ferreira...
E agora é melhor eu falar logo da outra paixão à primeira vista, que foi o Mirage Azul, da Risqué, que vi nas unhas lindas da Bibia Bueno e logo quis pra mim. rs Mas os meus cotocos de unhas não ficaram lá essas  coisas, pois tive que cortar curtinha, já que algumas quebraram. E eu sei que essa blogagem é pra ir ao ar aos sábados, mas não deu. E como é um assunto que gosto demais [deu pra notar? rs] trouxe hoje mesmo; bem como ainda trarei a blogagem de Fotografia, que pulei, por também não ter podido participar.

Mas se quer saber mais das unhas das outras bonitas, corre lá no blog da Fer Reali e espia um bocado delas. ;oD

4 Comentários:

Flavia disse...

A gente tarda mas não falha! kkkkk!!!! A cor ficou ótima, adoro escurão. E falar em música é sempre bom.
bjsss

A FADA DAS AGULHAS disse...

Música faz bem a alma e ao coração.Sempre ouço músicas,e tenho minhas preferidas também,sou fã de MPB.Gostei do seu post e das unhas,cor forte que adoro!Não estou participando da blogagem já alguns dias,dei um tempinho,depois volto!

Uma semana linda!

Beijos

Simone Souza

Bibia Bueno disse...

nem ligo se são cotocos, amo mesmo assim esmaltar. essa cor é linda!

gostamos de várias coisas em comum! ei, vc tem um do moska dos que me roubaram. snif.

Patricia Daltro disse...

A música também sempre fez parte, e ainda faz, da minha história. Música, cor, odores e sabores são as marcas indeléveis de quem fui/sou/serei - não curto muito cores escuras, mas nas suas mãos ficou bem bonito esse esmalte!
beijos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

  ©Dona Amélia - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo