10 de nov de 2011

Pimenta, um tempero arretado!


Imagem daqui

Desde que entrei, definitivamente, pra cozinha eu me rendi aos odores e sabores dos temperos. Adoro manjericão, hortelã e sou fissurada por alecrim, mas o meu amor platônico é das pimentas! ;oD
Adoro sentir o sabor e até mesmo o ardor, e ela entra em meu prato com uma dose bem generosa, mas como em casa só eu e mamys gostamos, ao preparar os pratos tenho que ser bem mais regrada.
Com uma infinidade de formas, cores, odores, sabores e graus de ardência, as pimentas decoram, incrementam e esquentam as receitas mundo afora.
Descubra um pouco mais desse tempero arretado de bom:

A pimenta é o nome comum dado a vários tipos de condimentos culinários de sabor picante, cujo grau pode variar de quase nulo (pimentão) a muito forte (malagueta).

Além de ingrediente indispensável nas culinárias por todo o mundo, a pimenta já teve outras funções ao longo dos séculos: foi utilizada como oferenda aos deuses e até mesmo como moeda. Durante a Idade Média, seu principal objetivo era disfarçar a falta de frescor dos alimentos, principalmente das carnes curadas.
No campo da saúde, porém, há muitas informações controversas com relação aos benefícios que a pimenta pode causar. Várias das propriedades que lhe são popularmente atribuídas ainda não foram comprovadas cientificamente.

Foram criados muitos mitos sobre as pimentas dizendo que elas faziam mal a saúde,
principalmente que elas eram responsáveis por gastrites, úlceras, hemorróidas entre outros males. Esse é um assunto delicado e que divide opiniões. A única certeza que se tem é que pessoas que já possuam algumas doenças no sistema digestivo devam evitar a pimenta, pois ela pode agredir ainda mais as mucosas.

Mas já foi comprovado em vários estudos que as pimentas possuem propriedades que
são benéficas para a saúde, pois tem uma substância chamada capsaicina que é rica em
vitamina A (combate radicais livres, formação dos ossos e pele, funções da retina), B1 (atua no metabolismo energético dos açúcares), vitamina B2 (atua no metabolismo de enzimas, proteção no sistema nervoso), vitamina C (atua no fortalecimento de sistema imunológico, combate radicais livres e aumenta a absorção do ferro pelo intestino), vitamina E (antioxidante) e vitamina PP (também conhecida como niacina, é responsável pela manutenção da pele, proteção do fígado, regulação da taxa de colesterol no sangue), além de possuir propriedades analgésicas e energéticas, favorece a redução de coágulos no sangue (devido à função vasodilatadora), estimula a produção de endorfina no cérebro (sensação de bem estar), é antioxidante, antiinflamatório e anticancerígeno. Outras funções desse alimento é que são bactericidas podendo proteger o sistema digestivo, combate tensões musculares e ajudar no tratamento de reumatismos articulares. Alguns estudos recentes garantem que pode ser utilizada no tratamento da obesidade porque reduz a vontade de comer devido à indução da termogênese (efeito de transformar parte das calorias dos alimentos em calor). Temos que lembrar que esses benefícios estão presentes nas pimentas vermelhas e outras (ex: tabasco, habanero, jalapeño, etc.) que são frutos de árvores do gênero Capsicum.
Na pimenta do reino (preta ou branca) elas possuem piperina, que ainda não possui nenhum estudo comprovando seu benefício.
A pimenta traz sim benefícios à saúde, mas como todo alimento funcional deve ser
ingerido com cautela e moderadamente, estudando todo histórico de saúde do paciente. Por isso procure sempre um médico e/ou nutricionista para maiores esclarecimentos.

Curiosidades:
* As principais responsáveis pela ardência da pimenta são as sementes e a placenta, no
interior da planta. Caso queira que fique menos picante, utilize somente a casca.
* Quando comemos um prato muito ardido, a primeira coisa que fazemos é tomar um copo
d'água. É errado. Pode não parecer, mas a água acentua a sensação de ardência. O melhor são os derivados do leite, porque possui caseína, uma substância que retira a capsaicina dos receptores nervosos localizados na boca. Por isso, alguns pratos da culinária indiana são acompanhados de molho de iogurte.
* Cada espécie de pimenta tem um grau de ardência, que é medido de forma simplificada
numa escala de 0 a 10. A Marupi, encontrada na Amazônia, é uma das mais ardidas entre as
nativas do Brasil, atingindo o grau nove na escala. A pimenta mais ardida do mundo é a Red Savina Habanero que atingiu o grau +10 na escala!!

A pimenta é um alimento termogênico . O metabolismo funcionando a todo vapor já ajuda o organismo a queimar mais calorias, mas a prova definitiva de que você deveria apimentar suas receitas é que 6 gramas de pimenta queimam até 45 calorias - ou seja, ajudam a emagrecer. Tem mais: ao estimular o sistema nervoso, provocam a liberação de catecolaminas (noradrenalina e adrenalina), o que reduz o apetite e a ingestão de calorias, proteínas e gorduras na refeição seguinte. Por quebrar os nutrientes dos alimentos e absorvê-los, a capsaicina faz com que tal sistema abasteça-se nos depósitos gordurosos, aumentando a queima calórica.Também produz endorfinas, reduzindo assim a ansiedade alimentar.

Entre outros benefícios, a pimenta impede a coagulação do sangue e, portanto, evita tromboses, contendo vitamina E e chegando a ter seis vezes mais vitamina C do que a laranja. Ela também reduz o risco de doenças como o câncer, a catarata, o mal de Alzheimer e até o diabetes. Pesquisa científica também elevou o status da pimenta de simples tempero para poderoso aliado no auxílio da saúde e prevenção à depressão e outros males que afetam o humor e a disposição dos seres humanos.

Sabores

O sabor da pimenta é principalmente encontrado na parte mais externa da planta, muito pouco na parte interna e nada nas sementes. O que a torna um condimento, é seu pigmento chamado carotenóide, responsável pela cor característica delas. A cor é um dos elementos mais importantes na composição de um prato. Poucas comidas são mais estimulantes visualmente que um prato com pimentas suculentas de várias cores, vermelha, verde, amarela, marron, laranja e púrpura.

A coloração do fruto muda com a maturação, pode ir do verde até uma centena e diferentes tons, mas principalmente o vermelho. Cores fortes sempre estão ligados a sabores fortes. Considerada a mais forte que existe, a variedade Habanero é uma das mais aromáticas e tem um sabor inigualável. As agradáveis sensações que temos ao comer um prato bem temperado vêm de percepções distintas sempre relacionadas ao sabor e cheiro.

As pimentas que mais provocam a queima de calorias na digestão são:
1º Habanero: é uma das principais pimentas do México e na escala de ardores é uma das mais picantes.

2º Malagueta: alongada e de cor vermelha quando madura, é uma das mais picantes. É usada em molhos líquidos e conservas. Bastante popular no Brasil, vai bem com feijoada, cozidos e no trivial arroz com feijão.

3º Caiena: é encontrada principalmente seca e moída, na forma de condimento picante. Também pode ser consumida fresca, em molhos, desidratada e em conserva. É muito usada na culinária cajun [do sul dos Estados Unidos].

4º Cambuci e cumari: 
A Pimenta Cambuci (também conhecida como Chapéu de Frade) é de um grupo de pimentas em que a pungência dos frutos é menos intensa. Pode ser consumida fresca, ou em molhos e conservas. Já a pimenta cumari, conhecida também pelos nomes de Cumbari e Comari, é encontrada apenas no Brasil, e é bastante popular no Sudeste. É Bastante empregada em molhos, cozidos e marinado.

5º Jalapeno: utilizada em diversas receitas mexicanas é especialmente adequada para molhos, por ter bastante polpa. Seca e defumada, ganha o nome de chile chipotle.



Pimenta-preta


Também conhecida como pimenta-redonda e, no Brasil, como pimenta-do-Reino, é uma das mais antigas especiarias conhecidas. Os seus grãos, secos e moídos, são bastante utilizados na culinária de diversos países. Tem um sabor forte, levemente picante, proveniente de um composto químico chamado piperina. Por essa razão foi utilizada desde a Idade Média para disfarçar o sabor dos alimentos em via de decomposição.

A pimenta-preta, um dos condimentos mais usados em todo o mundo, é feita da baga inteira e madura, enquanto que a verde é feita com a baga imatura. A branca, por sua vez, é produzida a partir das sementes.
- Essas variedades de pimenta são ricas em piperina, a qual alguns estudos associam a uma melhora da digestão. Também está relacionada à ação antioxidante.
- Apesar da associação popular, a pimenta-preta não causa hemorróidas, mas pode desencadear crise, por irritar os vasos sanguíneos da região do reto.

Pimenta vermelha



Inclui as espécies jalapeño, dedo-de-moça, malagueta, caiena, bode, páprica e até mesmo o pimentão. O ardor depende da concentração da substância capsaicina, presente no interior da baga. Para obter uma pimenta menos ardida, basta retirar essas partes.
- A capsaicina é antioxidante, ou seja, combate o envelhecimento celular. Estudos também indicam seu poder termogênico. Isso quer dizer que ela eleva o gasto calórico e ajuda no emagrecimento. Além disso, a pimenta é rica em betacaroteno e em vitamina C, outros potentes antioxidantes.
- Acredita-se popularmente que, devido ao seu ardor, esse condimento contribua para o surgimento de úlceras. Mas estudos mostram que a capsaicina ajuda na produção de uma secreção que protege o revestimento do estômago da gastrite e das úlceras.
- A capsaicina também neutraliza a produção de uma substância causadora da dor. Por isso, pesquisam-se cremes, anestésicos e remédios para enxaqueca à base dela.

Fáceis de preparar, estes molhos fazem um bem danado à saúde.
Molho de pimenta-malagueta para salada

• 2 tomates médios sem casca e sem sementes

• 2 pimentas-malagueta

• 1 cebola média

• 6 ramos de salsa

• 2 colheres (sopa) de suco de limão

• 2 colheres (sopa) de vinagre

• Sal a gosto

Modo de preparo

Bata tudo no liquidificador até obter um molho homogêneo. 

Molho de pimenta-caiena para legumes cozidos

• 1/2 maço médio de agrião

• 1/2 xícara (chá) de iogurte natural

• 2 colheres (sopa) de azeite de oliva

• 1 colher (chá) de pimenta-caiena em pó

• 1 colher (chá) de sal

Modo de preparo

Ponha no liquidificador as folhas e os talos mais macios do agrião e os demais ingredientes. Bata até ficar cremoso. Junte o agrião com o iogurte, o azeite de oliva a pimenta e o sal. Bata novamente. 


Geléia de pimenta-cumari e melão

• 1 quilo de polpa de melão tipo pele de sapo

• 5 colheres (sopa) de pimenta-cumari fresca

• 5 colheres (sopa) de azeite de oliva

• 1 xícara (chá) de açúcar

Modo de preparo

Depois de bater todos os ingredientes no liquidificador, coloque-os numa panela, leve ao fogo e cozinhe por 35 minutos ou até encorpar, mexendo de vez em quando. A geléia deve ser guardada na geladeira, em vidro previamente esterilizado. Ideal para carne assada.


Fonte: mdemulher.abril.com.br / bbel.uol.com.br

5 Comentários:

Eliene Vila Nova disse...

ei voltei do mundo dos blogueiros sumidoskkkkk
morrendo de saudades de você
te espero no msn pra te contar as novidades
te adoro
beijos

arte da sadhia disse...

oi flor amei ess postagem também adoro pimentas ..minha mãe quando vai a Bahia sempre me tras de muitas variedades..eu amooooo
e adorei o post parabens
bjocas

Taia Assunção disse...

Gosto do odor, mas não do sabor. Sou fraca para pimenta, papai ama a cumari e mamãe briga com ele o tempo todo, isso porque ele se trata há quatro anos de um câncer na garganta...só que ele é levado...rsrsrsrs. No mais, adoro condimentos. Beijocas!

Neli Rodrigues disse...

Eu adoro pimenta.
Aqui em casa é bem complicado, pois meu marido detesta, se estiver um pouquinho ardido ele já acha que está suuuper apimentado.
Meu filho é meu companheiro, tb gosta e aos poucos vou acostumando minha filha também.
Bjs♥

Misael Jordão disse...

Muito interessante a matéria. Apenas gostaria de transmitir uma informação a fim de atualizar a lista das mais ardidas. Primeiro vem a Jolokia, depois a Red Savina, em terceiro lugar a Habanero vermelha e a amarela (scoth Bonnet). A famosa Malagueta é 10 vezes menos ardida que a Jolokia. Dá para imaginar porque essa pimenta está no Guinness Book.
Parabéns.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

  ©Dona Amélia - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo